Importância do Capital de Giro e Ciclo Financeiro

Capital de Giro (CG) é um Indicador muito importantes já que ele nos indica Quanto e Quando a Empresa vai precisar de Capital para sustentar e manter todas as atividades e operações funcionais, sem que nada venha a comprometer os Processos e compromissos Financeiros Previstos e Assumidos.

Um conceito que ajuda a entender o Capital de Giro na Gestão Financeira está diretamente relacionado à Necessidade de Capital de Giro. A Necessidade de Capital de Giro nos informa o total de recursos que seu negócio deverá utilizar no financiamento de sua operação, ou seja, o valor total necessário para pagar todos os compromissos no vencimento.

A Necessidade de Capital de Giro (NCG) é a Diferença entre a Soma de Recursos ou Disponibilidades Empregadas no Capital de Giro e a Soma dos Financiamentos “Naturais” consequentes do Exercício das Operações no seu Negócio.

 

Capital Em Giro

 O Caixa da Empresa não deve ficar negativo, representando um Risco elevado pois compromete sua operação e fica vulnerável!

Toda Empresa precisa entender Como Funciona sua Operação Financeiramente, de que forma os Clientes são Financiados, quanto de Recursos serão Investidos num Estoque suficiente que atenda as Vendas e o Tempo de Reposição, ou seja Quantos Dias de Estoque são necessários para seu Negócio? E por último Quanto de Recursos são necessários para Compra de Mercadorias de Revenda, ou Matérias Primas com os Fornecedores, além de todas as Despesas e Custos Operacionais como Impostos, Pessoal e outras.

Resumindo acima falamos de três variáveis:

Contas a Pagar – CP

Estoques – EST

Contas a Receber – CR

Curso de Finanças Corporativas FGV

Então! Capital de Giro nada mais é do que 0 “Capital de Trabalho”, a movimentação das Contas de uma Empresa diariamente. Contas em Giro ou Movimento Constante, Contas de Crédito e Contas de Débito, Provocando efeitos que atingem seu Caixa na Linha do Tempo, Por isso é Importantíssimo Conhecer estes Tempos e Valores.

“É o sangue que circula no seu corpo, seu Sistema Circulatório”

Tem contas que Geram Recursos, ou seja que, ajudam a Financiar Recursos e outras que Tomam Recursos, ou seja que, nelas precisamos Aplicar Recursos!

 

Curso de Finanças Corporativas FGV

O melhor negócio é quando uma Empresa Recebe as Vendas á Vista, tem alto Giro dos Estoques e por último negociou longo Prazo de Pagamento. Neste Negócio os Produtos serão Geradores de Caixa sustentando a NCG que será Financiada pelos Clientes. Claro que poucos se enquadram neste modelo, mas serve como inspiração; não garante seu sucesso mas bem Administrado tem todas as chances positivas.

Voltando, se existem dois grupos de Contas, vamos definir estes abaixo:

Contas onde a Empresa vai Aplicar Recursos em Capital de Giro:

  1. Contas a Receber dos Clientes
  2. Estoques de matérias Primas, Produtos Acabados e Mercadorias

Contas onde a Empresa vai obter Financiamento de Capital de Giro:

  1. Fornecedores
  2. Governo (Impostos)
  3. Colaboradores (Pessoal)
  4. Outras Contas a Pagar

A Necessidade de Capital de Giro – NCG é a diferença entre estes dois grupos de Contas acima.

Curso de Finanças Corporativas FGV

Curso de Finanças Corporativas FGV

Curso de Finanças Corporativas FGV

 

 

Capital de Giro é um Indicador de Desempenho que também nos monstra se o Negócio precisa de Recursos e quais Fontes deste Recursos como por exemplo Empréstimos para Financiamento do Capital de Giro ou Recursos Próprios dos Sócios por meio de Aportes.

Veja que já estamos falando em Empréstimos, que geram Despesas Financeiras que em geral não estavam Previstas comprometendo o Resultado Operacional, e mais ainda podendo acarretar em Dívidas e Prejuízo no Resultado Financeiro, Atenção !

A falta de Planejamento em calcular a Necessidade de Capital de Giro é estatisticamente um dos principais motivos das empresas não terem Sucesso, encerrando suas atividades prematuramente, deixando Dívidas e ainda comprometendo seu Patrimônio.

 

A Necessidade de Capital de Giro – NCG deve ser calculada em vários momentos na vida de uma Empresa:

  • Na fase de Planejamento do Projeto antes de iniciar suas atividades,
  • Durante as atividades por motivos sazonais, crescimento das Vendas, ou alterações do Ciclo Financeiro.

 

“Não se esqueça que o Planejamento Empresarial de todas as áreas da Empresa é revisado e aprovado pelo Financeiro, de nada vale por exemplo aplicar Recursos em Estoques que amanhã se revertam em dívidas”

Dicas!

O que faz na Empresa Aumentar a Necessidade de Capital de Giro:

  • Aumento nas Vendas (Períodos sazonais)
  • Prazo de Vendas muito longos / aumento nos Prazos de Recebimento
  • Aumento nos Dias de Estoque / altos níveis de Estoque
  • Compras a Vista / Redução do Prazo de Pagamento
  • Retiradas em Excesso
  • Distribuição de Lucros
  • Imobilizado em Excesso
  • Sistema de Cobrança ineficiente

O que faz na Empresa Diminuir a Necessidade de Capital de Giro:

  • Vendas a Vista / redução do Prazo de Recebimento das Vendas
  • Redução dos Dias de Estoque / maior redução de Estoques
  • Aumentar o Prazo de Pagamento com Fornecedores
  • Estude seu Fluxo de Caixa adequando os Pagamentos com os Recebimentos na linha do Tempo. Se sua empresa não tem Fluxo de Caixa, está em apuros!
  • Sistema de Cobrança Eficiente
  • Lucratividade

Como Prevenir a falta da Necessidade de Capital de Giro:

  • Analisar “sempre” Controles, Demonstrativos e Indicadores Financeiros
  • Saber o melhor momento de Comprar e seus Prazos
  • Renegociar Dívidas para Longo Prazo
  • Processo Contínuo de Redução das Despesas e Custos
  • Controle muito bem a Inadimplência

Em outras palavras: que motivos provocam a falta de Recursos Financeiros na sua Empresa:

  • Aumento sem controle da capacidade de Vendas acarretando num aumento das Compras de Materiais Administrativos e dos Custos e Despesas Operacionais
  • Capital Próprio mal dimensionado ou insuficiente
  • Necessidade de Compras de vulto por motivos cíclicos
  • Ampliação exagerada nos Prazos das Vendas 
  • Acentuadas diferenças entre o Ciclo de Venda e Ciclo de Pagamento.
  • Processo Produtivo Lento e Baixa Rotação dos Estoques
  • Processos Gerenciais Lentos
  • Preço de Venda e Orçamentos mal calculados gerando prejuízo

Porque mesmo que uma Empresa sendo Lucrativa não tem dinheiro para pagar as contas? 

Por que está diretamente ligado ao Ciclo Financeiro conforme as características de seu Negócio.

O Gerente Financeiro deve analisar algumas variáveis para calcular a Necessidade de Capital de Giro, podemos ter um Negócio onde seus Produtos ou Serviços sejam “Tomadores de Caixa” ou “Geradores de Caixa”

Os três componentes a serem analisados são:

  1. Contas a Receber – CR
  2. Estoques – EST
  3. Contas a Pagar – CP

 

Ciclo Operacional, Ciclo Financeiro e Econômica

Independente do tamanho da sua Empresa conhecer e medir os 3 Ciclos é vital para realizar uma Administração Financeira eficiente já que este assunto está diretamente ligado a sua disponibilidade de Caixa e Necessidade de Capital de Giro.

Mesmo que sua Empresa não tenha um sistema que realize estes cálculos automaticamente por dia, não é justificativa para não fazer ! Pode-se utilizar planilhas e mesmo que não seja diariamente devemos ficar atentos aos “Prazos” praticados e suas alterações, pois estas mudanças  modificam os Ciclos.

 

A – Ciclo de Econômico é o período de tempo entre a Compra da Mercadoria para Revenda ou Matéria Prima e a Venda das mesmas

  • Não deixa de ser os Dias de Estocagem. Chamamos de “Estocagem Não Onerosa” aos dias de prazo de pagamento e “Estocagem Onerosa” ao dias que o estoque continua na empresa após o pagamento aos fornecedores e ainda não foi vendido.
  • No Planejamento devemos avaliar o comportamento das Vendas (histórico) para prever este Ciclo.
  •  Ciclo Econômico (CE) = Prazo Médio dos Estoques (PME)

 

B – Ciclo Operacional é o período entre a Compra da Mercadoria para Revenda ou Matéria Prima e o Recebimento da Venda

  • Se sua Empresa realiza suas Vendas á Vista este Ciclo é igual ao Ciclo Financeiro.
  • Quanto Maior for este Ciclo mais a Empresa demora para transformar Estoque em Caixa (dinheiro) e consequentemente mais dificuldades na Administração Financeira.
  • Não é a soma dos Ciclos Econômicos e Financeiros
  • Ciclo Operacional (CO) = Ciclo Econômico (CE) + Prazo Médio Contas á Receber (PMCR)
  • Ciclo Operacional (CO) = Prazo Médio dos Estoques (PME) + Prazo Médio Contas á Receber (PMCR)
  • CO = PME + PMCR

 

C – Ciclo de Financeiro ou de Caixa é o período de tempo entre o Pagamento da Compra da Mercadoria para Revenda ou Matéria Prima e o Recebimento da Venda

  • É importante para calcular a Necessidade de Capital de Giro, se vamos precisar Financiar as Operações e se estes Recursos serão de Terceiros ou Próprios, por Quantos dias será necessário e Quanto vai Custar.
  • É número de vezes por ano que o Caixa da sua Empresa Gira ou se reveza. Pode-se calcular este Giro de Caixa dividindo 360 (o suposto número de dias do ano) pelo Ciclo de Caixa.
  • Quanto mais prazo conseguir com os Fornecedores menor será este Ciclo.
  • Quanto maior for o o número vezes que o Caixa Gira ou Reveza, menor será a Necessidade de Capital de Giro.
  • Quanto menor é este Ciclo maior e mais rápido será o Retorno do Investimento, Que Empresa não gosta de receber á vista !
  • Ciclo Financeiro (CF) = Ciclo Operacional (CO) – Prazo Médio Pagamento Fornecedores (PMPF)
  •  CF = (PME + PMR) – PMP

Fórmulas e Exemplos sobre Ciclos:

Sua Empresa estoca mercadoria por 45 dias, vende em 60 dias e paga os fornecedores em 30 dias. Calcule os dias de cada Ciclo.

PME = 45 dias          PMR = 60 dias          PMP = 30 dias

  1. CE = PME = 45 dias
  2. CO = PME + PMR = 45 dias + 60 dias = 105 dias
  3. CF = (PME + PMR) – PMP = (45 dias + 60 dias) – 30 dias = 75 dias

Quanto MENOR for o Ciclo Financeiro MELHOR para seu Negócio porém devemos observar as característica do seu Mercado e Nicho.

Se inverter o PMR para 30 dias e o PMP para 60 dias veja o resultado:

  1. CE = PME = 45 dias
  2. CO = (PME + PMR) = (45 dias + 30 dias) = 75 dias
  3. CF = (PME + PMR) – PMP = (45 dias + 30 dias) – 60 dias = 15 dias

O Ciclo Financeiro foi de 75 dias para 15 dias, ou seja que, precisamos financiar apenas 15 dias da operação. No primeiro caso a Empresa Girou (360 dias / 75 dias) 5 vezes, já no segundo caso a Empresa Girou seus Negócios (360 dias / 15 dias) 24 vezes !

Agora imagine receber suas Vendas á Vista e Pagar seus Fornecedores á Prazo:

  1. CE = 45 dias
  2. CO = 45 dias + 0 dias = 45 dias
  3. CF = 45 dias – 60 dias = -15 dias

O Caixa da Empresa tem suas Disponibilidades para pagar seus Fornecedores 15 antes do vencimento, Maravilha !

 

Slides que ilustram retirados do curso de Finanças Corporativas da FGV

Curso de Finanças Corporativas FGV

Observação:

Empreendedores perguntam quanto vale minha Empresa ?

“Bom, uma Empresa que não tem Capacidade Operacional de Gerar Caixa significa que que não tem retorno de seu investimento, que não terá Rentabilidade, ou seja, os Recursos que o  Investidor destinou estão comprometidos ou perdidos, assim sendo sua Empresa não tem Valor. Cada Empresa vai levar seu tempo para recuperar o Capital e Risco Investido, por isso é importante praticar uma Gestão Profissional, todo Negócio tem por objetivo o Lucro Financeiro e Social”

 

Curso de Finanças Corporativas FGV

Curso de Finanças Corporativas FGV

 

Curso de Finanças Corporativas FGV

Curso de Finanças Corporativas FGV

 

Fórmulas e Exemplos sobre Capital de Giro:

CGL = AC – PC

  • CGL = Capital de Giro Líquido
  • AC = Ativo Circulante (Contas á Receber, Bancos, Caixa, Aplicações..)
  • PC = assivo Circulante (Contas á Pagar, Fornecedores, Empréstimos,,,)

CG = CP – (CR + Estoques)

  • Capital de Giro = Contas á Pagar – (Contas á Receber + Estoques)

CR = (PV Unit. x Vendas x Prazo de Venda) / 30

  • CR = Contas á receber
  • PV Unitário = Preço de Venda unitário
  • Vendas = Vendas médias mensais em quantidades
  • Prazo de Venda = Prazo concedido aos clientes em dias

Estoques. = (custo unitário x compras x dias de estoque) / 30

  • Estoque. = Estoques
  • Custo Unitário = Valor unitário pago pela aquisição da matéria-prima
  • Compras = Compras médias mensais em quantidades
  • Dias de Estoque = Dias médios de estoque,
  • Dias de Estoque = (Estoque Médio mês / Venda Média mês)/30

Se a atividade for industrial o estoque deve ser calculado em três momentos: estoque de matéria prima, produtos acabados e em elaboração

CP = (Custo Unitário x Compras x Prazo de Pagamento) / 30

  • CP = Contas á pagar
  • Custo Unitário = Valor unitário pago na aquisição da matéria-prima
  • Compras = Compras médias mensais em quantidades
  • Prazo de Pagamento = Prazo concedido pelo fornecedor de matéria-prima em dias

NCG / Vendas: é um Indicador de Desempenho que indica o percentual (%) das vendas que são necessários para cobrir a NCG

NCG = CG – FCG: Necessidade de Capital de Giro = Capital de Giro – Financiamento Capital de Giro

 

Veja no exemplo abaixo como os Resultados podem afetar seu Fluxo de Caixa !!

Exemplo a):             Calcular Capital de Giro Unitário do Produto “X”

  • Preço de venda = 150,00
  • Prazo concedido ao cliente = 30 dias
  • Custo da matéria prima = 82,00
  • Prazo concedido pelo fornecedor = 20 dias
  • Dias de estoque de matéria prima = 25 dias
  • CR = (PV vendas x prazo)/30

Resposta:

  • CR = (150 x 1 x 30) / 30 = 150
  • Estoques = (custo x compras x dias de estoque) / 30
  • Estoques = (82 x 1 x 25) / 30 = 68
  • Contas a pagar = (custo x compras x prazo) / 30
  • Contas a pagar = (82 x 1 x 20) / 30 = 55
  • CG unitário = CP- (CR + Estoques)
  • CG unitário = 55 – (150 + 68) = – 163

O que seria se a operação fosse com apenas 5 Dias de Estoque e um Prazo Médio de Venda de 5 dias ?

O Contas a Pagar seria o mesmo, mas o CG em Contas a Receber e Estoque vai mudar:

  • CR = (150 x 1 x 5) / 30 = 25
  • Est = (82 x 1 x 5) / 30 = 14
  • CG unitário = CP- (CR + Estoques)
  • CG unitário = 55 – (25 + 14) = 16

Diminuímos os Dias de Estoque, o Prazo Médio de Recebimento, e o Necessidade de Capital de Giro passou a ser R$ 16,00, uma queda significativa.

Analise do Capital de Giro envolvido nos seus principais produtos e estude maneiras de reduzi-los, preferencialmente sem efeitos negativos aos volumes de vendas !!

Slides que ilustram retirados do curso de Finanças Corporativas da FGV

Curso de Finanças Corporativas FGV

Curso de Finanças Corporativas FGV 

Curso de Finanças Corporativas FGV

 

 O objetivo dos artigos é apresentar repostas e ganhar conhecimento ! 

Obrigado !

email
About The Author

Alvaro Kovachy

Tenho 58 anos, 25 de casado e 39 de experiência profissional em Cargos Gerenciais e Direção, Funções Comerciais, Administrativas e Financeiras junto a empresas Nacionais e Multinacionais. Consultor, Assessor e Treinador Gerencial, prestando serviços para as micro, pequenas e médias empresas agregando valor e informação nos processos, produtos e pessoas afim de tornar seus Negócios Mais Lucrativos

Leave A Response

* Denotes Required Field